Transtorno Obsessivo Compulsivo(TOC)


Comportamentos ​​e pensamentos repetitivos indesejáveis afligem cerca de 2% da população, começando tipicamente na adolescência, mas muitas vezes muito mais cedo. A condição crônica, causada por uma combinação de fatores neurobiológicos e ambientais, tem uma boa resposta com terapia medicamentosa e psicoterapia.

Definição


O transtorno obsessivo-compulsivo(TOC) é um transtorno de ansiedade em que as pessoas têm pensamentos indesejados e repetidos, sentimentos, ideias, sensações(obsessões) ou comportamentos que fazem com que se sintam levados a fazer alguma coisa(compulsões). Frequentemente a pessoa realiza os comportamentos para se livrar dos pensamentos obsessivos, mas isso só fornece alívio temporário. A não realização dos rituais obsessivos podem causar grande ansiedade. O nível de uma pessoa de TOC pode ser, em qualquer lugar, de leve a grave, mas se for grave e não tratada, ela pode destruir a capacidade de uma pessoa de realizar tarefas no trabalho, na escola ou mesmo para levar uma existência confortável em casa.

TOC atinge cerca 1 a 2% da população mundial(no Brasil são 4 milhões de portadores) e o problema pode ser acompanhado por distúrbios alimentares, distúrbios de ansiedade ou depressão. Ela atinge homens e mulheres em números aproximadamente iguais e, geralmente, aparece na infância, adolescência ou início da idade adulta. Um terço dos adultos com TOC desenvolvem sintomas quando crianças e pesquisas indicam que o TOC pode ocorrer em toda a família.
Embora os sintomas de TOC geralmente comecem durante a adolescência ou início da idade adulta, a pesquisa mostra que algumas crianças podem até desenvolver a doença durante a pré-escola. Os estudos indicam que, pelo menos, um terço dos casos de TOC nos adulto começou na infância. Sofrer de TOC durante os estágios iniciais do desenvolvimento de uma criança pode causar graves problemas para a criança. É importante que a criança receba avaliação e tratamento o mais cedo possível para evitar que a criança perca importantes oportunidades por causa desta doença.

Sintomas


As pessoas com TOC:

• Tem pensamentos ou imagens sobre muitas coisas diferentes, como o medo de germes, sujeira, ou intrusos repetido; violência; machucando entes queridos; atos sexuais; conflitos com as crenças religiosas; ou ser
excessivamente limpo.
• Realiza os mesmos rituais mais e mais como lavar as mãos, travar e destravar portas, contando, mantendo itens desnecessários ou repetindo os mesmos passos de novo e de novo. 
• Ter pensamentos e comportamentos indesejados que não podem controlar. 
• Não tem prazer nos comportamentos ou rituais, mas chega ao breve alívio da ansiedade que os pensamentos causam. 
• Passa pelo menos uma hora por dia nos pensamentos e rituais, que causam angústia no caminho da vida diária.

Obsessões

Ideias indesejadas repetitivas ou impulsos são bem  frequentes na mente da pessoa com TOC. Medos paranoicos persistentes, uma preocupação razoável com ser contaminado ou uma necessidade excessiva de fazer as coisas com perfeição, são comuns. Uma e outra vez, o indivíduo experimenta um pensamento perturbador, tais como: "Esta taça não é limpa o suficiente. Devo lavá-la." "Eu posso ter deixado a porta destrancada." Ou "Eu sei que eu esqueci de colocar um acento sobre essa letra." Esses pensamentos são intrusivos, desagradáveis ​​e produzem um alto grau de ansiedade. Outros exemplos de obsessões são medo de germes, de ser ferido ou de magoar os outros e pensamentos religiosos ou sexuais preocupantes.

Compulsões

Em resposta a suas obsessões, a maioria das pessoas com TOC recorrem a comportamentos repetitivos denominados compulsões. A mais comum delas é a checagem e a lavagem. Outros comportamentos compulsivos incluem repetição, colecionismo, reorganização, contar (muitas vezes durante a execução de uma outra ação compulsiva, como verificação e controle). Mentalmente repetir frases e listas de verificação também são comuns. Esses comportamentos são geralmente destinados a afastar os danos à pessoa com TOC ou outros. Algumas pessoas com TOC têm rituais arregimentados: executar as coisas da mesma forma todas as vezes pode dar a pessoa com TOC algum alívio da ansiedade, mas é apenas temporário.
As pessoas com TOC apresentam uma gama de insights sobre a inutilidade de suas obsessões. Elas, às vezes, podem reconhecer que as suas obsessões e compulsões são irrealistas. Em outros momentos, elas podem não ter certeza sobre seus medos, nem mesmo acreditar fortemente na sua validez.
A maioria das pessoas com TOC lutam para banir os seus pensamentos indesejados e comportamentos compulsivos. Muitos são capazes de manter seus sintomas obsessivo-compulsivos sob controle durante as horas em que elas estão envolvidas na escola ou no trabalho. Mas ao longo do tempo, a resistência pode enfraquecer, e quando isso acontece, o TOC pode se tornar tão grave que os rituais demorados assumem a vida dos portadores e tornam impossível para que eles tenham vidas fora de casa.

O curso da doença é bastante variado. Os sintomas podem ir e vir, com facilidade, ao longo do tempo, ou piorar. Se o TOC torna-se grave, pode impedir uma pessoa de trabalhar ou realizar responsabilidades normais em casa. As pessoas com TOC podem tentar ajudar a si mesmos, evitando situações que desencadeiam suas obsessões, ou podem usar álcool ou drogas para acalmarem-se.

Causas


A velha crença de que o TOC é o resultado de experiências de vida tornou-se menos válido com o crescente foco em fatores biológicos. O fato de que pacientes com TOC respondem bem a medicamentos específicos que afetam o neurotransmissor serotonina sugere que o transtorno tem uma base neurobiológica. Por essa razão, o TOC não é mais atribuído apenas a comportamentos aprendidos na infância - a ênfase excessiva em limpeza ou a crença de que certos pensamentos são perigosos ou inaceitáveis. A busca por causas agora se concentra na interação de fatores neurobiológicos e influências ambientais, bem como os processos cognitivos.

O TOC é, por vezes acompanhado de depressão, transtornos alimentares, abuso de substâncias, transtorno de personalidade, transtorno de déficit de atenção ou outros dos transtornos de ansiedade. Distúrbios coexistindo podem fazer o TOC mais difícil tanto para diagnosticar como para tratar. Os sintomas de TOC são vistos em associação com outras doenças neurológicas. Há um aumento da taxa de TOC em pessoas com síndrome de Tourette, doença caracterizada por movimentos involuntários e vocalizações. Os investigadores estão a estudar a hipótese de que existe uma relação genética entre o TOC e os transtornos
de tiques.

Outras doenças que podem estar ligadas ao TOC são tricotilomania (desejo repetido de puxar cabelo, pestanas, as sobrancelhas ou outro cabelo corporal), transtorno dismórfico corporal (preocupação excessiva com defeitos imaginários ou exagerados na aparência) e hipocondria (o medo de ter - apesar de avaliação médica e segurança - uma doença grave). Os pesquisadores estão investigando o local de TOC dentro de um espectro de desordens que podem compartilhar certas bases biológicas ou psicológicas. Não se sabe quão perto o TOC  é associado a outros distúrbios, como a trichotillomainia, transtorno dismórfico corporal e a hipocondria.
Há também teorias sobre TOC que ligam a interação entre o comportamento e meio ambiente, que não são incompatíveis com as explicações biológicas.

A pessoa com TOC tem comportamentos obsessivos e compulsivos que são extremos o suficiente para interferir com a vida cotidiana. As pessoas com TOC não devem ser confundidas com um grupo muito maior de pessoas, às vezes chamado de "compulsivo" por serem perfeccionistas e altamente organizadas. Este tipo de "compulsão", muitas vezes serve a um propósito valioso, contribuindo para a autoestima de uma pessoa e sucesso no trabalho. A esse respeito, ela difere das obsessões destrutivas de vida e rituais da pessoa com TOC.

Tratamentos


A pesquisa clínica e animal patrocinado pelo NIMH e outras organizações científicas forneceu informações que levam a ambos os tratamentos farmacológicos e comportamentais que podem beneficiar a pessoa com TOC. Um paciente pode se beneficiar significativamente com terapia comportamental, outro irá se beneficiar de farmacoterapia. E outros podem se beneficiar melhor com ambos. Outros podem começar com a medicação para ganhar controle sobre seus sintomas e, em seguida, continuar com a terapia comportamental. Qual terapia para uso deve ser decidido pelo paciente individual em consulta com o seu terapeuta.

Medicação

Os ensaios clínicos nos últimos anos têm demonstrado que as drogas que afetam o neurotransmissor serotonina podem diminuir significativamente os sintomas de TOC. O primeiro destes inibidores da recaptação de serotonina (IRSs), especificamente aprovadas para o uso no tratamento de TOC foi a clomipramina anti-depressivo tricíclico (Anafranil). Foi seguido por outros IRSs que são chamados inibidores de serotonina "re-uptake" (SSRIs). Aqueles que foram aprovados pela Food and Drug Administration para o tratamento do TOC são citalopram (Celexa), flouxetine (Prozac), fluvoxamina (Luvox), a paroxetina (Paxil) e sertralina (Zoloft).
Grandes estudos têm mostrado que mais de três quartos dos pacientes são ajudados por estes medicamentos, pelo menos um pouco. E em mais de metade dos pacientes, os medicamentos aliviam os sintomas de TOC por diminuir a frequência e intensidade das obsessões e compulsões. Melhoria geralmente leva pelo menos em três semanas ou mais. Se um paciente não responde bem a um destes medicamentos, ou tem efeitos colaterais inaceitáveis, outro SRI pode dar uma melhor resposta. Para os pacientes que são apenas parcialmente sensíveis a estes medicamentos, a pesquisa está se conduzido sobre a utilização de um SRI como a medicação principal e um de uma variedade de medicamentos como um fármaco adicional (um aumentador). Os medicamentos são de ajuda para controlar os sintomas de TOC mas, muitas vezes, se a medicação é interrompida, a recaída se seguirá.

Terapia Comportamental

A terapia comportamental cognitiva (TCC) tem demonstrado ser mais eficaz no tipo de psicoterapia para esta desordem. O paciente é exposto muitas vezes para uma situação que desencadeia os pensamentos obsessivos e aprende gradualmente a tolerar a ansiedade e resistir à tentação de executar a compulsão. Medicação e TCC juntos são considerados melhores do que qualquer tratamento sozinho na redução dos sintomas.

Uma abordagem de terapia comportamental específica chamada "exposição e prevenção de resposta" é
eficaz para muitas pessoas com TOC. Nesta abordagem, o paciente de forma deliberada e voluntariamente confronta o objeto temido ou ideia, seja diretamente ou por imaginação. Ao mesmo tempo, o paciente é encorajado a abster-se da ritualização, com o apoio e estrutura fornecidos pelo terapeuta, e possivelmente por outros a quem paciente escolhe para dar assistência. Por exemplo, uma pessoa  que lava as mãos compulsivamente pode ser encorajada a tocar um objeto supostamente contaminado e depois pedir para evitar a lavagem por várias horas até que a ansiedade provocada diminua bastante. O tratamento prossegue então numa base de passo-a-passo, guiada pela capacidade do paciente para tolerar a ansiedade e controlar os rituais. Como o tratamento progride, a maioria dos pacientes gradualmente experimentam menos ansiedade dos pensamentos obsessivos e são capazes de resistir aos impulsos compulsivos.

A psicoterapia também pode ser usado para fornecer meios eficazes de reduzir o stress, ansiedade e resolver conflitos internos.

Maneiras de fazer tratamento mais eficaz


Muitas pessoas com transtornos de ansiedade se beneficiam ao aderir a um autoajuda ou um grupo de apoio e compartilhar seus problemas e realizações com outras pessoas. Salas de chat na Internet também podem ser úteis a este respeito, mas qualquer conselho recebido através da Internet deve ser usado com cautela, uma vez conhecidos da Internet geralmente nunca se viram um ao outro e identidades falsas são comuns. Conversando com um amigo ou membro do clero também pode fornecer apoio, mas não é um substituto para o cuidado de um profissional de saúde mental.

Técnicas de gerenciamento de estresse e meditação podem ajudar as pessoas com transtornos de ansiedade a acalmarem-se e podem aumentar os efeitos da terapia. Há evidências preliminares de que o exercício aeróbico pode ter um efeito calmante. Desde cafeína, certas drogas ilícitas, e até mesmo alguns medicamentos vendidos livremente, fora do balcão, podem agravar os sintomas de transtornos de ansiedade. Eles devem ser evitados. Verifique com o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicação adicional.

A família é muito importante para a recuperação de uma pessoa com uma perturbação de ansiedade. Idealmente, a família deve dar suporte, mas não ajudar a perpetuar os sintomas de seu ente querido. Os membros da família não devem banalizar a doença ou a melhoria sem tratamento. Quando um membro da família sofre de transtorno obsessivo-compulsivo é útil ser paciente sobre o seu progresso e reconhecer todos os sucessos, não importa quão pequenos sejam.

Compartilhe no Google Plus

Sobre Luciana Costa

Blogueira e escritora independente. Sou amante da literatura e das artes. Também amo minha liberdade, minha família, meus amigos. Gosto de aprender e gosto de ensinar.

0 comentários:

Postar um comentário

Gostou do Texto? Deixe um comentário!
Obs: todos os comentários são moderados antes de serem liberados e exibidos no blog. Comentários anônimos são aceitos, palavrões e insultos, não. Se desejar comentar anonimamente, assine com um pseudônimo.