Síndrome do Pânico - O Que é e Como Tratar

A Síndrome do  pânico é caracterizada por episódios incontroláveis ​​de medo e suas manifestações físicas, tais como palpitações, sudorese e tontura. Se preocupar em ter um ataque de pânico pode trazer o estresse adicional de ansiedade crônica.

Definição


Uma pessoa com síndrome do pânico experimenta episódios súbitos e repetidos de medo intenso, acompanhados por sintomas físicos, como dor no peito, palpitações, falta de ar, vertigem ou desconforto abdominal. Como esses sintomas são muito semelhantes aos de um ataque cardíaco ou outras condições médicas que ameaçam a vida, a síndrome do pânico pode não ser diagnosticada até exames médicos extensivos e caros descartarem a possibilidade de outras doenças graves.

Mesmo entre os ataques de pânico, é comum para quem sofre ser extremamente ansioso. Essas pessoas muitas vezes desenvolvem fobias sobre lugares como shoppings onde episódios anteriores ocorreram. Elas também desenvolvem medos sobre experiências que desencadeiam um ataque, como uma viagem de avião. Como os ataques de pânico se tornam mais frequentes, a pessoa pode começar a evitar situações que podem desencadear um episódio. Esta fuga pode provocar a agorafobia, a incapacidade de sair em ambientes familiares seguros por causa do medo intenso e ansiedade.

A síndrome de pânico é uma doença que se manifesta especialmente em jovens e acomete mais as mulheres do que os homens. Os ataques de pânico geralmente começam no final da adolescência ou início da idade adulta, mas nem todo mundo que experimenta ataques de pânico irá desenvolver o transtorno do pânico. Muitas pessoas têm apenas um ataque e nunca ter outro. A tendência de desenvolver ataques de pânico parece ser herdada.

No Brasil, cerca de 1% da população tem um ataque de pânico por ano e 5% dos adultos relatam já terem tido pelo menos um ataque de pânico na vida, 1% deles acompanhado de agorafobia

Os Sintomas


Um ataque de pânico começa de repente e, na maioria das vezes, com picos dentro de 10-20 minutos. Alguns sintomas podem durar uma ou mais horas depois. Durante um ataque de pânico, a pessoa acredita que ele ou ela está "ficando louco", tendo um ataque cardíaco ou prestes a morrer. Os ataques de pânico não podem ser previstos. Pelo menos nas fases iniciais da doença, não há qualquer sugestão ou gatilho que inicia o ataque. Recordar um ataque passado pode desencadear ataques de pânico. Com que frequência e em que padrão eles ocorrem pode variar. Os ataques de pânico podem incluir ansiedade por estar em uma situação em que uma fuga pode ser difícil (como estar em uma multidão ou viajando em um carro ou ônibus). Uma pessoa com transtorno do pânico muitas vezes vive com medo de outro ataque e podem ter medo de estar sozinho ou longe da ajuda médica.

Para ser formalmente diagnosticado com síndrome do pânico, o paciente deve ter experimentado quatro ataques de pânico, em quatro semanas, ou um ou mais ataques seguidos, por pelo menos um mês, de ansiedade contínua em ter outro episódio. Com a síndrome do pânico, pelo menos quatro destes sintomas ocorrem durante um ataque:

• Palpitações, coração batendo forte ou ritmo cardíaco acelerado
• Transpiração
• Tremores ou agitação
• Falta de ar ou sensação de sufocamento
• A sensação de asfixia
• dor ou desconforto no peito
• Náuseas ou desconforto abdominal
• Tonturas, instabilidade ou desmaios
• Sentindo-se separado de si próprio ou irrealidade
• Medo de perder o controle ou medo de morte iminente
• Medo de morrer
• Dormência ou formigamento
• Calafrios ou ondas de calor

Os ataques de pânico podem alterar o comportamento e funções em casa, escola ou trabalho. Pessoas com o transtorno frequentemente se preocupam com os efeitos de seus ataques de pânico. Pessoas com síndrome do pânico podem ter sintomas de alcoolismo, depressão e / ou abuso de drogas.

As Causas


A hereditariedade, outros fatores biológicos, eventos estressantes e pensamentos que ampliam reações normais podem desempenhar seu papel no aparecimento do transtorno do pânico. Embora as causas precisas ainda sejam desconhecidas, elas são o objeto de muitos estudos científicos. Alguns estudos sugerem que, se um gêmeo idêntico tem síndrome do pânico, o outro gêmeo também desenvolverá a condição em 40% das chances. No entanto, o transtorno do pânico geralmente ocorre quando não há história familiar.

Os pesquisadores realizaram dois estudos em animais e humanos para identificar as partes específicas do cérebro que estão envolvidos na ansiedade e medo. Porque o medo evoluiu para lidar com o perigo, que desencadeia uma resposta protetora imediata, sem pensamento consciente. Esta resposta de medo é acreditada por ser coordenadas pela amígdala, uma estrutura profunda dentro do cérebro. Apesar de ser relativamente pequena, a amígdala é bastante complexa e estudos recentes sugerem que os transtornos de ansiedade podem ser associadas com a atividade anormal da amígdala.

Tratamento


A síndrome do pânico é tratada com medicamentos e terapia cognitivo-comportamental (veja abaixo), um tipo de psicoterapia que ensina os pacientes a ver os seus ataques de uma maneira diferente e demonstra como reduzir a ansiedade. O tratamento adequado por um profissional experiente pode reduzir ou prevenir os ataques de pânico em 70 a 90 por cento das pessoas com o transtorno. A maioria dos pacientes mostram progressos significativos após apenas algumas semanas de tratamento. As recaídas podem ocorrer, mas pode ser tratada de forma eficaz.


Antidepressivos

Vários medicamentos inicialmente aprovados para o tratamento da depressão tem sido eficazes para aliviar distúrbios de pânico. Estes antidepressivos devem ser tomadas por várias semanas antes que os sintomas começam a desaparecer. Os pacientes não devem desanimar ou parar de tomar seus medicamentos, que precisam de tempo para trabalhar.

Entre as mais recentes antidepressivos são os inibidores seletivos da recaptação da serotonina, ou ISRS. Estes trabalham no cérebro em um mensageiro químico chamado serotonina. ISRSs tendem a ter menos efeitos colaterais do que a geração anterior de antidepressivos. Os pacientes podem ficar ligeiramente nauseados ou nervosos quando eles tomam SSRIs, mas com o tempo esse sentimento vai embora. A disfunção sexual pode ser um efeito colateral desses antidepressivos, mas um ajuste na dose ou a mudança para outro SSRI pode corrigir o problema. Os pacientes devem discutir todos os efeitos colaterais com o seu médico para que as alterações necessárias na medicação possam ser feitas.

SSRIs comumente prescritos para o transtorno do pânico incluem fluoxetina (Prozac), sertralina (Zoloft®), escitalopram (Lexapro®), paroxetina (Paxil®) e citalopram (Celexa®). SSRIs, também são utilizados para o tratamento de desordem de pânico, quando ocorre, em combinação com o TOC, fobia social, ou depressão. Uma dose baixa inicial destes medicamentos é gradualmente aumentada até que tenha um efeito benéfico. SSRIs têm menos efeitos colaterais do que os antidepressivos mais antigos, mas, às vezes produzem náuseas leves ou nervosismo quando as pessoas começam a tomá-los. Estes sintomas desaparecem com o tempo. Algumas pessoas também têm disfunção sexual com SSRIs, que pode ser ajudado através do ajuste da dose ou a mudança para outro SSRI.

Os antidepressivos tricíclicos conhecidos também são tomados em doses baixas e são lentamente aumentadas. Os tricíclicos têm mais tempo do que os ISRS e têm sido mais amplamente estudada para o tratamento de transtornos de pânico. Eles são tão eficazes como os ISRS, mas muitos médicos e pacientes preferem os medicamentos mais novos, porque os tricíclicos podem ter efeitos secundários, tais como tonturas, sonolência, boca seca e ganho de peso. Se os problemas persistirem, o paciente pode solicitar uma alteração da dose ou a mudança na medicação.

A geração mais velha de medicamentos antidepressivos são os inibidores da monoamina oxidase ou inibidores da MAO. Phenelzine, o IMAO mais comumente prescritos, é útil para pacientes com transtorno de pânico. As pessoas que tomam inibidores da MAO deve prestar atenção a sua dieta, porque esses antidepressivos podem interagir com alguns alimentos e bebidas, incluindo queijo e vinho tinto, que contém uma substância química chamada tiramina. IMAO também interagem com outras medicações, incluindo alguns tipos de pílulas anticoncepcionais, analgésicos (como Advil ®, Motrin ® ou Tylenol ®), medicamentos para gripe e alergia, e suplementos de ervas; estas substâncias podem interagir com inibidores da MAO para causar perigosos aumentos na pressão sanguínea. O desenvolvimento de novas IMAO podem ajudar a diminuir estes riscos. IMAO também pode reagir com SSRIs para produzir uma situação grave chamada "síndrome da serotonina", o que pode causar confusão, alucinações, aumento da sudorese, rigidez muscular, convulsões, alterações na pressão arterial ou ritmo cardíaco e outras doenças potencialmente fatais.



Medicamentos anti-ansiedade

O grupo de medicamentos anti-ansiedade conhecida como benzodiazepinas, incluindo alprazolam (Xanax ®) e lorazepam (Ativan®), podem ser prescritos para pacientes com transtorno de pânico. Estas drogas aliviam os sintomas rapidamente e têm alguns outros  efeitos colaterais como sonolência, mas porque as pessoas podem desenvolver uma tolerância a eles, e teria que aumentar a dosagem para continuar recebendo o mesmo efeito, eles são geralmente prescritos apenas por períodos de tempo curtos. Devido a problemas de dependência, eles não são recomendados para pacientes que abusaram de drogas ou álcool. A redução gradual da dose devem evitar possíveis sintomas de abstinência em pacientes que tomam os benzodiazepínicos, mas sua ansiedade pode retornar uma vez que deixam de tomar a medicação. Algumas pessoas experimentam sintomas de abstinência se parar de tomar benzodiazepinas abruptamente em vez de redução gradual, e a ansiedade podem retornar uma vez que a medicação é interrompida. Estes potenciais problemas levaram alguns médicos a coibir de usarem estas drogas ou parar de usá-los em doses inadequadas.

Tomar medicamentos

Antes de tomar medicação para um transtorno de ansiedade:

. • Pergunte ao seu médico sobre os efeitos colaterais da droga
. • Informe o seu médico sobre quaisquer terapias alternativas ou  medicamentos sem prescrição que esteja usando
• Pergunte ao seu médico quando e como o medicamento deve ser interrompido. Alguns medicamentos não pode ser interrompido abruptamente, mas deve ser retirada lentamente sob a supervisão de um médico.
• Trabalhe com seu médico para determinar qual a medicação é melhor para você e qual dosagem é melhor.
• Esteja ciente de que alguns medicamentos são eficazes se forem tomados regularmente e que os sintomas podem reaparecer se a medicação é interrompida.

Cognitivo-Comportamental e Terapia Comportamental

Uma forma de psicoterapia que foi demonstrado ser eficaz no tratamento de vários distúrbios de ansiedade, incluindo pânico, é a terapia cognitiva-comportamental (TCC). Um dos principais objetivos da TCC e terapia comportamental é reduzir a ansiedade, eliminando crenças e comportamentos que provocam pânico. Ela tem dois componentes. O componente cognitivo ajuda as pessoas a mudar padrões de pensamento que as impedem de superar seus medos. Por exemplo, uma pessoa com síndrome do pânico pode ser ajudada a ver que seus ataques não são problemas realmente do coração como se pensava; a tendência a colocar o pior possível interpretação dos sintomas físicos podem ser superados.

O componente comportamental da CBT procura mudar as reações das pessoas a situações que provocam ansiedade. Um elemento-chave deste componente é a exposição, em que as pessoas enfrentam as coisas que elas temem. O terapeuta ajuda o paciente a lidar com a ansiedade resultante. Eventualmente, depois deste exercício ser repetido várias vezes, a ansiedade irá diminuir. Se você passar por TCC ou terapia comportamental, a exposição será realizada somente quando estiver pronto; isso será feito de forma gradual e só com a sua permissão. Você vai trabalhar com o terapeuta para determinar o quanto você pode manipular e em que ritmo você pode prosseguir.

Para ser eficaz, a TCC ou terapia comportamental deve ser dirigida para as ansiedades específicas da pessoa e é necessário adaptá-la às preocupações específicas da pessoa. CBT e terapia comportamental tende a não ser o desconforto temporário de aumento da ansiedade ou efeitos secundários adversos, mas o terapeuta deve ser bem treinados nas técnicas de tratamento para que ela funcione como desejado. Durante o tratamento, o terapeuta provavelmente atribuirá os "trabalhos de casa" problemas específicos que o paciente precisa para trabalhar entre as sessões.

CBT ou terapia comportamental geralmente dura cerca de 12 semanas. Pode ser realizado em grupo, desde que as pessoas do grupo tenham problemas suficientemente semelhantes. Há alguma evidência de que, após o tratamento finalizado, os efeitos benéficos da CBT durem mais tempo do que os dos medicamentos para pessoas com síndrome do pânico. Partes comuns desta terapia incluem:



• Ganhar compreensão e controle sobre visões distorcidas de estressores, como o comportamento ou acontecimentos de outras pessoas.
• Aprender a reconhecer e substituir os pensamentos que causam pânico para diminuir a sensação de impotência.
• Aprender técnicas de gerenciamento de estresse e de relaxamento para ajudar quando os sintomas ocorrerem.
• Praticar dessensibilização e exposição a terapia sistemática, na qual você está convidado a relaxar, então imaginar as coisas que causam a ansiedade, trabalhando desde o menor medo ao mais terrível. Exposição gradual à situação da vida real também tem sido usada com sucesso para ajudar as pessoas a superar seus medos.

Se persistir o distúrbio em data posterior, a mesma terapia pode ser utilizado para tratar com sucesso uma segunda vez. A medicação pode ser combinada com a psicoterapia e para muitas pessoas esta é a melhor abordagem para o tratamento.

Compartilhe no Google Plus

Sobre Luciana Costa

Blogueira e escritora independente. Sou amante da literatura e das artes. Também amo minha liberdade, minha família, meus amigos. Gosto de aprender e gosto de ensinar.

0 comentários:

Postar um comentário

Gostou do Texto? Deixe um comentário!
Obs: todos os comentários são moderados antes de serem liberados e exibidos no blog. Comentários anônimos são aceitos, palavrões e insultos, não. Se desejar comentar anonimamente, assine com um pseudônimo.